Corredores exclusivos do BRT vão melhorar mobilidade na cidade

14_03_17_Pref ACM Neto_Coletiva BRT_foto Valter Pontes_SECOM14_03_17_Pref ACM Neto_Coletiva BRT_foto Valter Pontes_SECOM11

 

Prefeitura lança edital para execução das obras do trecho um do modal, que contemplará o Parque da Cidade à região da Rodoviária

Salvador dará mais um grande salto na área de mobilidade, com a implantação dos corredores exclusivos de mais um modal de transporte: o BRT (Bus Rapid Transit), que ficará localizado no coração do sistema viário da cidade. O lançamento do edital de licitação para escolha da empresa que vai executar a primeira etapa da obra foi feito nesta terça-feira (14), no Palácio Thomé de Souza, pelo prefeito ACM Neto, pelo vice-prefeito Bruno Reis e pelo titular da Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob), Fábio Mota, entre outras autoridades.

O investimento para esta fase será de R$408 milhões. Esse trecho terá corredores exclusivos que vão ligar o Parque da Cidade à região da rodoviária, na estação do metrô que já está em construção pela CCR, fazendo a integração com os modais. O edital já está disponível na Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop) e a intervenção será coordenada pela Semob, com a execução a cargo da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra). As obra começa pela construção de um viaduto na região do Parque da Cidade. Nesse trecho serão, no total, três viadutos.

A intervenção faz parte do projeto de implantação de corredores de transporte coletivo integrado de Salvador e englobará, também, obras de macrodrenagem e outras melhorias viárias, além de ciclovia. No total, os corredores serão implantados em duas etapas, além da expansão do sistema do Parque da Cidade até a Pituba. O projeto foi fracionado para facilitar a captação de recursos federais e vai beneficiar também, diretamente, quem circula de automóvel, com a implantação, por exemplo, de elevados com vias rápidas. O objetivo é, com um sistema integrado aos ônibus e ao metrô, melhorar de forma definitiva a mobilidade numa das regiões mais “nervosas” da cidade, compreendida pelas avenidas Garibaldi, ACM e Juracy Magalhães.

“Este projeto foi compreendido para fazer a integração entre os dois principais centros econômicos da cidade: o Centro Histórico e a região do Iguatemi. A medida segue, inclusive, o que está previsto no PDDU e na Louos, que é a descentralização de serviços e setor econômico para os bairros. É importante lembrar que, em 2013, o trânsito era caótico e o transporte coletivo bastante precário, e que já foi realizado um conjunto de ações para melhorar a mobilidade dos cidadãos. Além da obra da primeira etapa, estamos trabalhando também para conseguir a primeira parcela e iniciar a obra para o trecho 2 ainda este ano de 2017”, explanou o prefeito.

Detalhes do projeto – Nas duas etapas, o projeto será implantado ao longo do corredor formado pela Avenida Vasco da Gama, Rua do Lucaia, Avenida Juracy Magalhães e Avenida ACM, se estendendo desde a entrada da Estação da Lapa até a Estação de Integração Iguatemi (metrô/BRT), na região próxima ao atual Shopping da Bahia. As intervenções preveem o aproveitamento das vias de ônibus convencionais já existentes ao longo da Avenida Vasco da Gama, adaptando-a para uso do BRT. Nos demais trechos serão implantados novas vias exclusivas para o sistema.

Dentre os itens que serão construídos estão o corredor exclusivo para os veículos do sistema BRT, além de melhorias no sistema viário, com implantação de faixas de fluxo contínuo nas avenidas Juraci Magalhães e ACM. A lista engloba ainda as estações do sistema BRT, complexos de viadutos nos principais locais de cruzamento viário ao longo do corredor, obras de macrodrenagem, urbanização e paisagismo ao longo do corredor de transporte e implantação de ciclovias.

Etapas – Para facilitar a implantação do BRT, a obra foi dividida em trechos. O trecho 1 vai do Loteamento Cidade Jardim (Parque da Cidade) até a estação de integração BRT/Metrô Iguatemi. Com extensão de 2,9km, as obras contemplam três viadutos – um no sentido Parque da Cidade/Lucaia, outro no sentido Parque da Cidade/Iguatemi e o terceiro no Iguatemi. Também serão construídos elevados paralelos no Cidadela e no Hiper para a implantação das estações em cada um desses locais. Os recursos são originados de operação de crédito junto à Caixa Econômica Federal no valor de R$408 milhões, sendo R$300 milhões do programa Pró-Transporte-FGTS e R$108 milhões do Programa de Financiamento das Contrapartidas do Programa de Aceleração do Crescimento (CPAC).

Já o trecho 2 terá 5,5km de extensão e segue da Estação da Lapa até o Loteamento Cidade Jardim (Parque da Cidade). Neste caso, serão construídas seis estações: Vasco da Gama, Ogunjá, HGE, Rio Vermelho, Pedrinhas e Cidade Jardim. As obras preveem também a implantação dos viadutos na Avenida Garibaldi e elevados paralelos nas Pedrinhas e Cidade Jardim. O projeto já aprovado pelo Ministério das Cidades, totalizando R$412 milhões, sendo R$300 milhões do Orçamento Geral da União (OGU) e R$112 milhões do Programa de Financiamento das Contrapartidas do Programa de Aceleração do Crescimento (CPAC).

Também está previsto no BRT o projeto de expansão, que vai do Parque da Cidade à Pituba, nas imediações do Posto Namorados. Com 1,8km, deverão ser implantados as estações Parque da Cidade e Itaigara, além do Terminal Pituba, que fará integração com outros modais.

Execução – Com a conclusão da primeira etapa, com obras que devem durar 28 meses após a assinatura do contrato com a empresa ou consórcio que vencer a licitação, os corredores exclusivos serão ocupados por ônibus comuns. Com a conclusão da segunda etapa, os corredores serão utilizados pelos veículos do sistema BRT, que serão do tipo ônibus articulados com capacidade nominal para 170 passageiros, portas largas e comprimento máximo de 23m, operando a uma velocidade comercial de 25 a 40 km/h.

A intenção é de que, com o BRT, o tempo de percurso seja menor, garantindo mais rapidez e conforto aos usuários. A previsão é de que o trecho entre o Iguatemi e a Lapa seja feito em 16 min, com velocidade média de 34,5 km/h, o que representa redução de tempo de 37%. Da Pituba para o Iguatemi e vice-versa, a previsão de percurso é de 7 min, com velocidade de 37,4 km/h e redução de tempo de até 69%. Da Lapa para a Pituba, também devem ser gastos 16 min, com velocidade de 35,9 km/h e redução de tempo de 42%.

De acordo com o secretário Fábio Mota, as obras podem ser realizadas de forma simultânea. “Os trechos também podem ser operados independentemente de ter sido finalizada uma ou outra etapa. No entanto, a nossa intenção é entregar os trechos ao mesmo tempo”, pontuou.

Futuro – O projeto prevê alcançar o atendimento de cerca de 31 mil passageiros por hora (na hora de pico) num horizonte até o ano de 2044, beneficiando não só a população lindeira ao corredor, mas também aquela cujos destinos são as principais áreas da Pituba, Iguatemi, Avenida Tancredo Neves, Vale das Pedrinhas, Rio Vermelho, Ondina e vários outros bairros da cidade.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s