Salvador lembra 25 anos de falecimento de Irmã Dulce

2017-03-13_Prefeito ACM Neto_Missa Irm Dulce_In Memorian_Foto Max Haack_Secom PMS 32017-03-13_Prefeito ACM Neto_Missa Irm Dulce_In Memorian_Foto Max Haack_Secom PMS 42017-03-13_Prefeito ACM Neto_Missa Irm Dulce_In Memorian_Foto Max Haack_Secom PMS 1002017-03-13_Prefeito ACM Neto_Missa Irm Dulce_In Memorian_Foto Max Haack_Secom PMS 118

 

Emoção, fé, gratidão e a forte presença da freira baiana através das obras que dão cada vez mais frutos e beneficiam milhares de pessoas carentes na Bahia. Estes foram os elementos que predominaram a missa solene em celebração pelos 25 anos de falecimento de Irmã Dulce, realizada nesta segunda-feira (13), no Santuário da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, na Avenida Bonfim, Largo de Roma. Dentre os presentes estiveram o prefeito ACM Neto, a superintendente das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), Maria Rita Lopes Pontes, demais autoridades, funcionários da instituição e população.

A celebração religiosa foi presidida pelo arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, e foi marcada pela lembrança de ações de Irmã Dulce realizadas em favor dos pobres e doentes. “Ao prestar homenagem a irmã Dulce, estamos homenageando o Criador. Irmã Dulce deixou uma obra social organizada, uma obra de amor, que era o seu diferencial. Os dons que ela tinha colocou a serviço dos outros. Cabe-nos fazer o mesmo”, relatou Dom Murilo.

História – Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes nasceu em Salvador, em 26 de maio de 1914. No início da adolescência, começou a manifestar interesse pela vida religiosa e, aos 13 anos, já atendia doentes onde morava, no bairro de Nazaré. Em 1933, ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, em São Cristóvão (Sergipe). Ao receber o hábito, adotou o nome de Irmã Dulce em homenagem à mãe.

Foi reconhecida pelo trabalho assistencial realizado com as comunidades carentes de Salvador, principalmente a dos Alagados, na Cidade Baixa. A ocupação de um galinheiro ao lado do convento, para atender aos doentes, deu origem à criação da Osid. Irmã Dulce faleceu em 13 de março de 1992, aos 77 anos, no Convento Santo Antônio, na capital baiana. Foi beatificada em 22 de maio de 2011, passando a receber o título de “Bem-Aventurada Dulce dos Pobres” e ter o dia 13 de agosto como data oficial de celebração da festa litúrgica. Atualmente, a freira baiana está em processo de canonização – para ser declarada santa, basta apenas a comprovação de mais um milagre atribuído à beata.

Em 25 anos, a Osid se tornou um dos maiores complexos de saúde com atendimento 100% gratuito do Brasil. São quase 4,5 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), entre idosos, pessoas com deficiência e com deformidades craniofaciais, pacientes sociais, crianças e adolescentes em situação de risco social, dependentes de substâncias psicoativas e pessoas em situação de rua. Nos últimos 25 anos, foram contabilizados mais de 60 milhões de atendimentos ambulatoriais e mais de 280 mil cirurgias realizadas.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s