Doleiro revela caixa dois com patrocínio para Nelsinho Piquet e outros

nelsinho-entrevista-divulgacao

 

O doleiro Adir Assad detalhou em suas tratativas para fechar um acordo de delação premiada como funcionava o esquema internacional de caixa dois de empresas que patrocinavam pilotos no exterior.

De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, Nelsinho Piquet e Helio Castro Neves são citados entre os que receberam apoio. Eles afirmam que nunca ouviram falar em Adir Assad. Pessoas familiarizadas com a delação acreditam ser possível que eles de fato não soubessem do esquema.

As empresas assinavam contrato de patrocínio maior do que a quantia que realmente era destinada às equipes de corredores. A sobra era enviada para contas que elas indicavam fora do país.

As companhias já tinham operações no Bradesco e transferiam o dinheiro para a agência do banco na Avenida Brasil, nos Jardins, em São Paulo. De lá, os recursos eram mandados para o exterior.

O Bradesco diz que “não comenta assuntos que estejam sob investigação policial ou pelo Ministério Público e reafirma seus compromissos éticos e de compliance, bem como o atendimento às regulações às quais está sujeito”.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s