WhatsApp fica para trás e Signal se torna o mensageiro mais baixado da Play Store

Continuar lendo “WhatsApp fica para trás e Signal se torna o mensageiro mais baixado da Play Store”

WhatsApp vai parar de funcionar em celulares antigos em 2021, anuncia Facebook

Continuar lendo “WhatsApp vai parar de funcionar em celulares antigos em 2021, anuncia Facebook”

Estados Unidos iniciam vacinação e enfermeira é a primeira pessoa imunizada

Continuar lendo “Estados Unidos iniciam vacinação e enfermeira é a primeira pessoa imunizada”

Youtuber é acusado de matar namorada grávida para ter audiência em live no Youtube

Foto:Reprodução redes sociais

Stas Reshetnikov, youtuber russo, é suspeito de ter matado a namorada Valentina Grigoryeva, de 28 anos, na última quarta-feira (2), durante uma live no Youtube.

Segundo informações do The Sun, o investigado teria obrigado a namorada grávida a ficar em uma varanda com clima abaixo de 0 graus, vestindo apenas calcinha e sutiã. Um usuário da rede social teria pago 800 euros – aproximadamente R$ 4.987,00 – para ver ele abusando fisicamente dela

Valetina, estava grávida do namorado há pouco tempo, morreu dentro de casa. O crime foi transmitido em tempo real no Youtube.

Segundo a imprensa local, depois que a mulher ficou desacordada, é possível ouvir ele dizendo. “Valya, você está viva? Minha coelhinha, o que aconteceu com você?”. Ele continuou questionando o que havia acontecido com Valentina e, no fim, constatou: ‘Gente, sem pulso… Ela está pálida! Não está respirando!”.

Reeflay foi detido pela polícia e passou por interrogatório. Se a morte por hipotermia for constatada, ele pode pegar no mínimo dois anos de prisão, segundo a imprensa local.

Varela notícias

Morre o mito Diego Maradona

Por: Aline Rocha

Maior jogador da história da Argentina, Diego Maradona faleceu, aos 60 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória

O camisa 10 e eterno ídolo da história do futebol Argentino, Diego Maradona faleceu nesta quarta-feira, aos 60 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória.

De acordo com o jornal argentino Clarín, a morte de Diego Maradona, ocorreu em sua casa em “El Tigre”, região metropolitana de Buenos Aires. Segundo o portal, o astro sofreu um mal súbito em casa, na manhã de hoje. Ambulâncias foram acionadas para sua casa mas ele veio à óbito ainda no local.

Maradona vinha enfrentando diversos problemas de saúde. Em 9 de novembro deste ano o ex-jogador foi internado  por causa de um hematoma no cérebro. Ele foi submetido a uma cirurgia de 1h20 no dia seguinte. Recebendo alta dois dias depois, ele seguiu para uma clínica de reabilitação para auxiliar na sua reabilitação da dependência de álcool e remédios.

O plano dos médicos era de mudar Maradona para uma casa em condomínio fechado localizado ao norte da capital argentina, perto de onde residem suas filhas mais velhas, Dalma e Giannina. Os médicos já mostravam preocupação, apesar de o tratamento ser considerado simples, com as condições de saúde do astro argentino.

Campeão mundial com a Argentina em 1986, Maradona teve sua carreira marcada pela genialidade em campo e pelas polêmicas fora dele. O camisa 10 defendeu a seleção em 91 jogos, atuando em quatro Copas do Mundo: 1982, 1986, 1990 e 1994. No Mundial dos Estados Unidos, viveu um dos piores momentos de sua trajetória, quando foi pego no exame antidoping ainda na primeira fase da competição.

Drogas

O uso de drogas, principalmente cocaína, o levou a abandonar definitivamente a carreira após teste ter detectado, pela segunda vez, uso de cocaína. Maradona passou por algumas internações e idas ao hospital, muitas delas em função de problemas causados pelo vício.

Aguarde mais informações 

Diego Maradona é internado em clínica na Argentina

O ex-jogador de futebol Diego Maradona deu entrada, na segunda-feira (2), em uma clínica médica na cidade de La Plata, na Argentina, poucos dias após completar 60 anos. A informação é do jornal Extra.

Segundo o jornal ‘La Nación’, o treinador de Gimnasia y Esgrima será submetido a exames. Já o jornal Clarín, afirma que a decisão de internar Maradona é preventiva por sua situação emocional e foi decidida na última sexta-feira (30), após ele não se sentir bem na homenagem que lhe foi feita no Estádio Carmelo Zerillo, antes da partida contra o Patronato, pelo Campeonato Argentino.

Maradona teve dificuldades em percorrer o caminho entre o vestiário e o gramado, e foi acompanhado por dois assistentes. Após uma breve conversa, ele sentou-se ao lado do banco reserva, mas não terminou de assistir ao primeiro tempo.

Segundo o ‘Clarín’, pessoas próximas descartaram que a internação se deva a sintomas ligados a Covid-19. A princípio, foi decidida de comum acordo entre Maradona e seu neurocirurgião-chefe, Leopoldo Luque, devido a um quadro emocional que afetou o agora técnico devido à situação da pandemia.

Durante sua quarentena, Maradona passou por uma dieta em que perdeu 11 quilos e realizou uma operação no joelho em 2019, na qual foi colocada uma prótese.

Foto: Divulgação

Ídolo no UFC, Anderson Silva faz luta de despedida neste sábado

Ídolo mundial no MMA, o brasileiro Anderson Silva realiza neste sábado sua luta de despedida no UFC. Aos 45 anos, o Spider enfrenta o jamaicano Uriah Hall, no UFC Vegas 12, em Las Vegas (EUA) protagonizando um dos principais confrontos do card principal.

O jamaicano vem de duas vitórias, enquanto o brasileiro apareceu mais leve nesta sexta-feira. Cravou 83,4 quilos, contra 84,3 quilos do adversário.

Ex-campeão dos pesos médios, Anderson Silva admite a possibilidade de ainda participar de mais um combate previsto em contrato. “Vai ser definido a partir de sábado, tudo isso vai ser conversado e tudo pode acontecer”, disse. Todo poderoso da franquia, Dan White trata a luta de amanhã como a última do UFC. Pode ser que o Spider continue no octagon, em confrontos de outras organizações. Com informações do Extra e do ESPN

Ataque a faca em igreja na França deixa ao menos três mortos e vários feridos

Ao menos três pessoas morreram e várias outras ficaram feridas em um ataque a faca ocorrido por volta das 9h (horário local, 5h no Brasil) desta quinta-feira (29) na basílica de Notre-Dame de Nice, na França. Segundo a polícia, uma das vítimas é uma mulher, que teria sido decapitada. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

O prefeito da cidade, Christian Estrosi, descreveu o incidente como um atentado terrorista. Disse que o agressor gritou “Allahu Akbar” (Deus é grande, em árabe) várias vezes, mesmo após ser detido.

A polícia, que descreveu a cena como uma “visão de horror”, segundo a imprensa local, afirma que o suspeito foi baleado e levado ao hospital.

Segundo Estrosi, duas pessoas foram mortas dentro da igreja, e uma terceira, em um bar em frente à basílica, onde tentou se esconder. “Já chega! Temos que remover esse fascismo islâmico de nosso território”, disse o prefeito.

O presidente da França, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro, Jean Castex, reuniram-se com o ministro do Interior (responsável por segurança), Gérard Darmanin, em um gabinete de crise do ministério. Segundo o palácio, Macron irá a Nice após a reunião.

“Pandemia reforçou ideia de que a vida é uma travessia que se dá no durante, nem no início nem no fim”, diz psicanalista

Autora de “Tempos compulsivos”, Sandra Edler analisa o impacto psíquico da Covid-19

Com mais de 40 milhões de casos confirmados, a pandemia da Covid-19 mudou as relações e a maneira de ver o mundo. Mas, além do medo e da ansiedade, a doença jogou luz em questões que estavam nas sombras, avalia a psicanalista Sandra Edler, autora do livro “Tempos compulsivos”.

“Muitos ganharam uma pausa para sair das atividades automáticas e refletir sobre suas questões. Tanto assim que, de maneira geral, cresceu a demanda por análise. Há mais pessoas interessadas em cuidar de si”, diz.

Apesar do aumento de casos de excesso de consumo de bebidas alcoólicas e drogas como válvulas de escape para as angústias trazidas pelo novo Coronavírus, as restrições impostas pelo isolamento vêm reafirmar a importância do agora:

“A pandemia reforçou a ideia de que a vida pode ser vista como uma travessia. Ela se dá no durante, nem no início nem no fim”.

Sandra Edler dará um curso online na Casa do Saber Rio, em novembro, com o tema “Tempos compulsivos: o que mudou com a pandemia?”. A seguir, ela analisa alterações psíquicas provocadas pelo momento atual. Confira:

A pandemia de Covid-19 e seus efeitos imediatos, como o isolamento social e o home office, deixaram a humanidade mais tensa, ansiosa e triste. Esse processo é reversível ou estamos condenados a viver sob nuvens carregadas?

O isolamento social, as perdas e as restrições impostas pelo novo contexto pandêmico ampliaram depressões, angústias, crises de pânico, insegurança e medo. Estamos diante de um vírus desconhecido, sem conhecimento de seu comportamento, duração e consequências. E ainda temos muitas perguntas sem respostas e sem uma definição clara do amanhã. Mas quanto ao isolamento, se por um lado suprimiu artifícios, por outro potencializou a criatividade e logo começou um movimento de tentativa de adaptação. As famílias se aproximaram, muitas mães voltaram a estudar com os filhos. Houve avanço para muitas pessoas. No entanto, somos seres em conflito e a pandemia trouxe novos problemas e reacendeu antigos.

Há quem acredite que este momento é fundamental para nos conhecermos melhor, encarar o que a falta de tempo do cotidiano não nos deixava ver. O que há de verdade e de importante nisso?

Para nós psicanalistas, nunca nos conheceremos completamente porque não dispomos apenas da consciência. Temos uma dimensão inconsciente que vai se revelando por sonhos, sintomas, atos falhos, equívocos… E que, vez por outra, nos surpreende. Mas não há dúvida de que muitos ganharam com a pandemia uma pausa para sair das atividades automáticas e em série, e refletir sobre suas questões. Tanto assim que, de maneira geral, cresceu a demanda por análise e a clínica on-line mostrou-se promissora. Há muitas pessoas interessadas em cuidar de si. Nesse sentido, é uma excelente oportunidade.

Inúmeras pessoas reforçaram o uso de bebidas alcoólicas, remédios e cigarros como válvula de escape para os atuais tempos sombrios. Isso é, de fato, compreensível, e se justifica?

Existem pessoas que, privadas de seus escapes habituais, e, com mais tempo em casa, ampliaram o uso de álcool e substâncias como válvula de escape. Sem esquecer o tempo de permanência na internet. Cresceu muito o número de compulsivos digitais com lamentáveis consequências. Toda compulsão preocupa porque tolhe ainda mais a já restrita liberdade do sujeito. Além disso, o uso de substâncias tóxicas, a ingestão excessiva de alimentos e outros, podem ocasionar prejuízos ao organismo como um todo.

As compulsões podem começar na busca pelo prazer ou como uma forma de “automedicação”, compensando incômodos da vida, amortecendo preocupações, como disse Freud, encobrindo depressões e angústia, por exemplo. Mas o que foi inicialmente a busca pelo prazer ou algo ocasional pode tornar-se necessário para continuar a viver. E enreda o sujeito nesse “ritual íntimo” a ponto de paralisá-lo para outras atividades e deixa-lo refém. Detalho isso no livro “Tempos Compulsivos”, inclusive através de relatos de dependentes e outros que passaram por isso e agora estão sob controle.

Com a Covid-19 e a falta de prazo para a distribuição da vacina a nível global, vivemos um longo período de incertezas. A vida é risco, mas nunca foi tão arriscado viver. Como sobreviver a isso?

Sim, vivemos um período de incertezas e a vida implica risco permanente. Mas estamos sempre querendo chegar a algum lugar. Envolvidos em múltiplas atividades, focados em chegadas e partidas, em busca de algo e querendo atingir um porto seguro. A pandemia, o isolamento e as restrições vieram revelar um outro lado. O de que a vida pode ser vista também como uma travessia, mais curta, mais longa, mas dentro da ideia de que a vida se dá no “durante”. Nem no início nem no fim do túnel, mas na própria travessia. É compreensível e humano querer chegar ao fim desse longo túnel, mas temos que viver essa e muitas outras travessias, veredas, estradas vicinais. Não por acaso, tantas pessoas se põem a caminhar em longas trilhas de peregrinação…

Futuristas dizem que a pandemia funciona como um acelerador do tempo e que ela antecipa mudanças que já estavam em curso, como o trabalho remoto e a educação à distância. Isso, do ponto de vista prático. Mas o que realmente importa, é: quando tudo passar, como estaremos, quem seremos?

Acredito que a ampliação do território digital, da ação dos algoritmos, do ensino on-line, do domínio da tecnologia se mantenham em expansão, mas temo pelo fator humano, presencial, cujo decréscimo traz consequências muito danosas. Inútil vermos apenas pelo lado econômico de redução de custos, por exemplo. Ou deslumbrar-se com a sedução da tecnologia.

Se não mantivermos a presença humana, social, o estímulo da presença do outro como laço e como referência, o que será de nossa vida emocional e de nossa humanização? Devemos legar ao algoritmo, à inteligência artificial, a possibilidade de decidir, de escolher por nós? Vamos abrir mão de nossa capacidade crítica? Vamos consentir em fazer parte do imenso rebanho de domesticados por uma ferramenta que criamos? À mercê de interesses econômicos?

Então, para concluir, destaco a ideia de que a pandemia trouxe um foco de luz para muita coisa que não víamos em nossas vidas, em nossa intimidade, nos hábitos que cultivamos, na forma de educar os filhos, na escolha dos caminhos. A grande trilha das questões existenciais e humanas está em foco agora, mais do que nunca! E a viagem apenas começando…

Qual a proposta do curso online que a senhora ministrará na Casa do Saber Rio?

No livro “Tempos compulsivos”, publicado em 2017, mostro um estudo sobre as compulsões. Tanto as ligadas a alimentos, álcool e/ou substâncias, quanto aos hábitos que se tornam repetitivos. Elas estavam em crescimento e algumas aumentaram com o isolamento social. A pandemia nos legou um olhar mais apurado. Precisamos revê-las, no conjunto da nossa intimidade, sob esse novo olhar.

Ex-jogador de time italiano confessa ter matado mãe e irmã

maxresdefault

 

O ex-jogador do Parma, Solomon Nyantakyi, de 21 anos, confessou ter matado a mãe e a irmã mais nova, Magdalene, 11, a golpes de faca nesta quarta-feira (12).

Os corpos foram encontrados pelo primogênito da família, que acionou a polícia imediatamente. O atleta fugiu para Milão, onde foi localizado por investigadores italianos.

O acusado confessou o crime após ser levado para depor e está preso à disposição da Justiça.