Procuradora da República sugeriu forjar provas para tentar incriminar Bolsonaro

Continuar lendo “Procuradora da República sugeriu forjar provas para tentar incriminar Bolsonaro”

Bolsonaro veta norma que obrigava Anvisa a dar aval em cinco dias para vacinas

Continuar lendo “Bolsonaro veta norma que obrigava Anvisa a dar aval em cinco dias para vacinas”

Bolsonaro afirma que mortes por coronavírus interessam a ‘alguns setores da sociedade’

Continuar lendo “Bolsonaro afirma que mortes por coronavírus interessam a ‘alguns setores da sociedade’”

Governo Federal entrega mais 77,6 quilômetros de pista pavimentada na BR-235/BA

Continuar lendo “Governo Federal entrega mais 77,6 quilômetros de pista pavimentada na BR-235/BA”

Governo Federal desmente matéria sobre apoio financeiro a blogs

A Secretaria Especial de Comunicação (Secom) esclarece que a matéria do jornal o Estado de São Paulo “Apoiada por Planalto, rede de ódio lucra com canais antidemocracia” é pura ilação, sem qualquer prova cabível e comprovação documental.

Jamais a Secom ou integrantes do Palácio do Planalto contribuíram com conteúdos antidemocráticos. Não há apoio do governo e nenhum centavo sequer destinado a qualquer blog ou canal digital, diferentemente de outras gestões que patrocinaram com verbas públicas sites e blogs de esquerda.

Fazer co-relação com vídeos e conteúdos disponíveis publicamente na rede, em blogs de terceiros, é mero exercício de ficção, querendo impor a esse governo relação com atos antidemocráticos.

O governo Bolsonaro foi eleito pelas urnas com o voto popular. Associar integrantes do governo à produção de conteúdo antidemocrático é no mínimo irresponsável e beligerante.

Não há gabinete do ódio. Não há um centavo de dinheiro público em sites antidemocráticos.

O governo está prestando todos os esclarecimentos às autoridades e confia que a Justiça prevalecerá. Temos convicção que todos os fatos serão esclarecidos em nome da mesma democracia que tanto nos acusam de desrespeitá-la. A verdade vencerá .

Secretaria Especial de Comunicação Social
Ministério das Comunicações

Bolsonaro pretende ampliar o volume de contêineres para baratear produtos

  • O Presidente divulgou em sua rede social os benefícios do Projeto de Lei, BR do Mar. Confira os pontos abaixo:
  • O PL BR do Mar pretende ampliar o volume de contêineres transportados por ano e baratear o produto na linha final para o consumidor no que depender de ações do Governo do Brasil, além de expandir em 40% a capacidade da frota marítima dedicada à cabotagem nos próximos três anos, excluindo as embarcações dedicadas ao transporte de petróleo e derivados.
  • Os reflexos da BR do Mar aumentam os fluxos de curta distância, em que o caminhoneiro ganha mais por km rodado, desgasta menos o equipamento e, portanto, tem maior receita.Ampliar a cabotagem é, naturalmente, ampliar a experiência multimodal no Brasil.
  • Barco não para na porta da indústria. Não para na porta da fazenda. Se 18.000 contêineres vão embarcar em um navio, precisam chegar ao porto e precisam deixar o porto. O BR do Mar quer abrir o mercado de cabotagem no país para explorar o grande potencial da costa e de rios do Brasil. E isso será importante para toda a cadeia logística.

Foto: Reprodução

Fonte: Ministério da Infraestrutura (Cap. Tarcísio Gomes de Freitas)

Portos do Brasil

Bolsonaro trata decreto como ‘já revogado’ e diz que é falsa a privatização do SUS

Após repercussão negativa, o presidente Jair Bolsonaro anunciou em rede social que revogou o decreto que incluía unidades básicas de saúde (UBS) no Programa de Parcerias de Investimentos. O decreto que autorizava a atuação da iniciativa privada no Sistema Único de Saúde (SUS) foi publicado no Diário Oficial de terça-feira (27).

Ao longo desta quarta (28), o governo alegou que não se tratava de qualquer decisão prévia, mas de realização de estudos para identificar a situação das UBS.

“Temos atualmente mais de 4 mil Unidades Básicas de Saúde e 168 Unidades de Pronto Atendimento inacabadas. Faltam recursos financeiros para a conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal. O espírito do Decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União”, escreveu Bolsonaro.

Na publicação, Bolsonaro disse ainda que a “simples leitura” do decreto não sinalizava privatização do SUS. Segundo ele, é falsa a ideia de privatização